Friday, October 06, 2006

Música e Literatura - Post III

Passando diante de um dancing, vem-me embater no ouvi­do, soante, quente e bruta como o fumo da carne crua, uma violenta música de jazz. Detive-me um momento; aquele tipo de música, por muito que a detestasse, sempre exercera sobre mim um secreto fascinio. O jazz repugnava-me, mas preferia-o cem vezes a toda e qualquer música académica da época, com a sua selvajaria jovial e rude; tocava-me, a mim também, bem fundo no mundo dos instintos, exalava uma sensualidade cân­dida e franca.
Durante um momento, ali fiquei de narinas abertas a inspi­rar aquela música sangrenta, estridente, a farejar, enfurecido e lúbrico, a atmosfera daquela sala. Uma parte dessa música, a lí­rica, era piegas, sobre-açucarada e transbordante de sentimen­talismo, a outra, selvagem, caprichosa e vigorosa; no entanto, as duas partes co-existiam natural e pacificamente, e formavam um todo. Era uma música de decadência, na Roma dos últimos imperadores devia ter havido música assim. Claro que, compa­rada com Bach e Mozart e com a verdadeira música, era uma bela porcaria — mas porcaria também era toda a nossa arte, to­do o nosso pensamento, toda a nossa pseudo-civilização, assim nos puséssemos a compará-los com a verdadeira cultura. E esta música tinha a vantagem de uma grande sinceridade, de uma negritude atraente e não falseada, de um humor jovial de crian­ça. Tinha algo do negro e algo do americano, que a nós, euro­peus, se apresenta, em toda a sua pujança, com a frescura da adolescência e a ingenuidade da infância. A Europa tornar-se--ia também assim? Estaria já nesse caminho? Seríamos nós, ve­lhos eruditos e admiradores da Europa antiga, da verdadeira música e da verdadeira poesia de outros tempos, seríamos nós apenas uma minoria reduzida e idiota de complicados neuróti­cos, amanhã esquecidos e escarnecidos? Aquilo a que chamava-mos "cultura", espírito, alma, que apelidávamos de belo e sa­grado, seria mero espectro morto de há muito tempo e real e vi­vo apenas no crer de uns tantos loucos que somos nós? Quem sabe se pura e simplesmente nunca teria sido real nem vivo? Quem sabe se o que nos movia a nós, idiotas, nunca teria passa­do de um fantasma?
em,O Lobo das Estepes, Herman Hesse

4 Comments:

Anonymous Tatiana said...

Admira-me o rapaz do jazz não ter comentado.
Estou quase a acabar o lobo das estepes, livro estranho esse, principalmente a parte final, e vai de acordo com algumas das coisas que você me disse ontem.

1:33 PM  
Blogger cou-de-pied said...

Achei este excerto extraordinariamento belo e clarividente. Nunca li nada do Herman Hesse, mas fiquei altamente tentada a ir à Fnac comprar o livro.

3:27 AM  
Blogger Renato said...

Adoro Herman Hesse. Até ando com medo de o ler e esgotar demasiado depressa a sua obra (neste momento ando a fazer o mesmo com Beethoven, não oiço). Aconselho, muito sinceramente, a leitura do livro.

5:14 AM  
Blogger Xiaozhengm 520 said...

nike uk
gucci bags
gucci outlet
asics shoes
coach outlet
polo ralph lauren
ralph lauren
louis vuitton outlet
nike basketball shoes
coach factory outlet
michael kors outlet
michael kors outlet
toms outlet
michael kors outlet clearance
toms
coach canada
juicy couture
christian louboutin shoes
celine handbags
cheap jerseys
vans shoes outlet
oakley sunglasses wholesale
mont blanc pens
coach outlet store online
longchamp handbags
oakley sunglasses
ray ban sunglasses outlet
adidas originals shoes
coach factory outlet
louis vuitton
ray ban outlet
coach factory outlet
oakley sunglasses
michael kors outlet
jordans
louis vuitton outlet
celine handbags
michael kors outlet clearance
louis vuitton outlet online
2016.6.20haungqin

11:26 PM  

Post a Comment

<< Home